• Tua001.jpg
  • Tua002.jpg
  • Tua003.jpg
  • Tua004.jpg
  • Tua005.jpg
  • Tua006.jpg
  • Tua008.jpg
  • Tua007.jpg
  • Tua009.jpg

Barragem do Tua em fase de conclusão

 

A EDP está a terminar todas as obras relacionadas com a barragem do Tua.  A central hidroelétrica já tem capacidade de produção de energia e de bombagem. O nível de pleno armazenamento da barragem (cota 170 metros) já foi atingido em diversos momentos.

As medidas de compensação assumidas pela EDP e pela Agência de Desenvolvimento Regional estão executadas ou em fase final de implementação. O Centro Interpretativo do Vale do Tua, investimento de dois milhões de euros na Estação de Foz-Tua (Carrazeda de Ansiães), abre ao público nos primeiros meses de 2018.

Foram plantados 220 hectares de sobreiros e azinheiras, mais 56 do que os que existiam, e está em desenvolvimento o programa de compensações com o objetivo de mitigar os impactos sobre a biodiversidade da região.

 

Texto e Fotos: Eduardo Pinto



O Centro Interpretativo do Vale do Tua, em Foz-Tua, Carrazeda de Ansiães, funciona de quarta a domingo, entre o meio-dia e as 18 horas. Aproveite para viajar virtualmente pela história do vale do Tua.

 

No CITICA, em Carrazeda de Ansiães, fica patente a exposição de fotografia "Nove meses de Inverno e três de Inferno", da autoria de João Pedro Marnoto.

 

A exposição "Óleo sobre tela", de Odete Rodrigues e Lurdes Vara, está patente ao público até 10 de maio, na Sala do Relógio e na Capela Centro Cultural dos Condes de Vinhais.

 

A exposição de Fátima Carvalho "Rituais do Ver" está patente no Centro de Fotografia Georges Dussaud, em Bragança. A artista fotografa pessoas a ver arte em museus e galerias e tenta captar as emoções do público.

 

O Centro Cultural Municipal Adriano Moreira, em Bragança, mostra artes visuais, dramáticas e músicas, no âmbito da exposição "Implicarte".

 

O Centro de Arte Contemporânea Graça Morais mostra a exposição "Knife and Wound", de Filipe Marques. No mesmo local está patente a exposição "Cabo Verde o Espírito do Lugar", de Graça Morais. Fica até 17 de Junho.

 

Até 27 de abril por ver no Centro de Interpretação do Mundo Rural de Mogadouro a exposição "Do néctar se faz mel", que dá a conhecer a origem, propriedades, aplicações do mel, o trabalho produzido pelas abelhas e pelo apicultor.

 

No Museu do Côa, pode ver até agosto a exposição de Júlio Pomar, "Incisão no tempo". Trata-se do primeiro grande evento do Museu do Côa, em 2018, que assinala a abertura das comemorações do vigésimo aniversário da classificação da Arte do Côa como Património da Humanidade, pela UNESCO.

 

A Greengrape está a promover exposições da Estação Imagem no Teatro e no Clube de Vila Real. O outro lado do desporto olímpico e as aldeias esquecidas do Gerês são os temas de duas exposições. As fotografias expostas resultam de mais uma edição do Concurso Internacional de Fotojornalismo Estação Imagem.

 

Na sede do Ecomuseu de Barroso, em Montalegre, pode ver uma exposição fotográfica, intitulada "Rostos com História", da autoria de Pedro Canedo. Este barrosão mostra ao público uma coleção de retratos, a preto e branco, captados ao longo dos últimos 40 anos.

 

Na Casa do Capitão do Ecomuseu de Barroso, em Salto, está patente a exposição "A loiça de Sacavém em Barroso". Um momento cultural que mostra traços da coleção privada de Elisabete Machado.

 

O Cineteatro de Torre de Moncorvo, recebe no dia 24 de abril, pelas 21h30, um concerto com o artista Júlio Pereira. O concerto conta com a apresentação

do seu mais recente trabalho "Praça do Comércio".

 

Texto: Rádio Ansiães