• Tua001.jpg
  • Tua002.jpg
  • Tua003.jpg
  • Tua004.jpg
  • Tua005.jpg
  • Tua006.jpg
  • Tua007.jpg

Albufeira da barragem do Tua



ROTEIRO

Vila Nova de Foz Côa tem um cartaz de 45 espetáculos de ópera e de música clássica, distribuídos por três anos. Hoje às 21:30 horas, na Praça do Município, vai ser apresentada a "Visitação à Ópera La Traviata", de Giuseppe Verdi. Também hoje, mas às 15 horas, no Museu do Côa, atua um Grupo de Cordas. Também em Foz-Côa, amanhã, às 10 horas, no Museu do Côa, atua um quarteto de cordas. Às 15, no mesmo local, atua um grupo de sopros. Às 18 horas, na Igreja Matriz é interpretada "A Criação" de Joseph Haynd.

 

Chaves viaja no tempo este fim de semana e regressa ao império de Tito Flávio com a sexta edição da Festa dos Povos. O evento inclui recriações históricas, o mercado galaico romano, espetáculos e cortejos, envolvendo à volta de 100 expositores (artesãos, artífices e mercadores) e centenas de figurantes.

As alamedas de Trajano e do Tabolado e as ruas circundantes são o palco para a "invasão romana", onde se irão misturar artesãos, gladiadores, senadores, músicos, bailarinos, mendigos, escravos, falcoeiros, personagens mitológicas e divindades.

 

No âmbito da iniciativa "Oito Mãos, Monumentos com Música Dentro", a Igreja Matriz de Armamar recebe amanhã, às 21:30 horas, o espetáculo Lulavai. Quatro mulheres, Lorena, Paula, Josefa e Elena, formam este insólito quarteto feminino da Galiza, onde o protagonismo das harpas e o som doce das suas vozes dão vida a um estilo próprio e único.

 

Em Miranda do Douro está a decorrer, até amanhã, a Famidouro, feira de artesanato e multiatividades.

 

Em Mogadouro estão a comemorar-se os 110 anos da morte de Trindade Coelho.

Hoje e amanhã, às 22 horas, no Convento de São Francisco, é exibida uma peça de teatro que homenageia o escritor transmontano e que pretende evidenciar a sua postura em defesa do povo.

 

A 9ª Bienal Internacional de Gravura do Douro 2018 está a decorrer até 31 de Outubro. Conta com a participação de 700 artistas oriundos de 70 países e com a exposição de 1400 obras em 14 diferentes espaços e localidades.

Nos museus do Côa e do Douro há exposições do artista homenageado, José de Guimarães e do comissário da exposição, António Canau. Há ainda exposições de gravura contemporânea no Auditório Municipal do Peso da Régua, no Arquivo Histórico Municipal de Chaves, no Espaço Cultural Miguel Torga, em S. Martinho de Anta (Sabrosa), no Teatro de Vila Real, na Biblioteca, Piscinas, Auditório e Museu do Pão e do Vinho de Favaios (Alijó), Quinta do Portal (Celeirós, Sabrosa) e a partir de 5 de Setembro no Centro Cultural de Bragança.

 

Ontem, às 17 horas, foi inaugurada a Exposição FotoGrafa! 2018, que fica patente no Museu da Região Flaviense. A Exposição "Fotografa! 2018" contempla os trabalhos premiados e selecionados pelo júri do concurso Raid Fotográfico Cidade de Chaves, aberto a todos os entusiastas de fotografia e com participação nacional e internacional.

 

A comemorar a primeira década de atividade, o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança, tem patente uma exposição da pintora, denominada "Humanidade", que fica até 24 de fevereiro do próximo ano. Propõe ainda uma viagem retrospetiva à obra dos 30 artistas que, até ao momento, ali apresentaram individualmente o seu trabalho, para ver até 28 de outubro.

 

A exposição "Breve história do Parlamentarismo Português" pode ser apreciada no CITICA, em Carrazeda de Ansiães, até 30 de agosto. A exposição está inserida numa itinerância de divulgação dos ideais parlamentares e da democracia. Em 25 painéis conta-se a história do Palácio de S. Bento e da Assembleia da República, desde as suas mais remotas origens.

 

Até ao final de agosto também pode apreciar a exposição de pintura "Três Artistas, Três Olhares", no Museu Armindo Teixeira Lopes de Mirandela. São quadros da autoria de Alzira Martinho, Zulmira Costa e Rui Santos.

 

Paisagens, rostos, flores, são vários os motivos pintados em telas, que podem ser visitados na Biblioteca Municipal de Macedo de Cavaleiros. A exposição é da autoria de Sofia Caldeiras, de 32 anos, natural da aldeia de Vale Pradinhos, no concelho mesmo concelho. Sofia é portadora de Osteogénese Imperfeita, uma doença congénita incurável que se carateriza pela fragilidade dos ossos, o que a obriga a estar muito tempo em casa. Pintar é uma forma passar o tempo.

 

Eduardo Pinto